Cenário Político: o bom momento vivido por João Campos


Colunas
22 de novembro de 2021 às 00h00min - Por Américo Rodrigo

Foto: Rodolfo Loepert

Coluna da segunda

Perto de completar 11 meses à frente da prefeitura de uma das capitais mais importantes do país, João Campos (PSB) vem imprimindo um ritmo positivo de agendas nas últimas semanas. Mesmo com os municípios ainda atravessando uma crise financeira causada pela pandemia, o prefeito do Recife tem feito sua parte, lançando programas que visam contribuir com a retomada econômica e a geração de novos empregos. Recentemente, o socialista anunciou a antecipação do 13º salário para novembro. Com isso, a PCR pagará três folhas salariais em um prazo de 28 dias, injetando mais de meio bilhão na capital pernambucana. Uma notícia bastante comemorada por João Campos foi a de que o Recife está entre os 156 melhores destinos do mundo para atrair investimentos, ao lado de metrópoles como Nova York, Londres, Paris, Pequim e Tóquio. Apesar de ser o seu primeiro ano de governo, o gestor recifense tem se destacado com ações executadas e aos poucos vai se firmando como um dos principais nomes do PSB no Nordeste.

Baixa adesão
Devido à instabilidade apresentada pelo aplicativo responsável por computar os votos de filiados do PSDB nas prévias, apenas 3,5 mil pessoas conseguiram votar neste domingo (21). A ferramenta que foi o grande alvo da confusão no ninho tucano custou cerca R$ 1 milhão.

Enfraquecimento
Independente de quem vença as prévias tucanas, o partido sairá fragilizado para as próximas eleições. Acusações de todos os níveis foram feitas pelos candidatos do PSDB neste domingo (21). Alguns parlamentares também subiram o tom e seguiram pelo mesmo caminho.

Responsabilidade
O pernambucano Bruno Araújo que comanda o PSDB a nível nacional, foi bastante cobrado pelo fato de ter sido alertado por diversas vezes sobre a fragilidade do aplicativo das prévias, mas, mesmo assim, optou por ele para colher os votos dos tucanos.

União
Durante coletiva de imprensa realizada na noite deste domingo (21), Eduardo Leite afirmou que Arthur Virgílio e João Doria se uniram com o intuito de atacar sua campanha nas prévias tucanas, apontando que o fato só reforça o tamanho da sua candidatura no processo partidário.

Cenário incerto
Mesmo com João Doria sendo apontado como favorito nas prévias, o governador de São Paulo pode enfrentar uma grande resistência ao seu projeto nacional. Sua rejeição é grande junto aos partidos e pré-candidatos que integram a terceira via e isso pode refletir nos estados, comprometendo o desempenho da sigla.