A versão da Prefeitura do Recife sobre mais uma operação da PF


Notícias
16 de setembro de 2020 às 08h37min - Por Américo Rodrigo

Foto: Marcelo Camargo

Na manhã desta quarta-feira (16), a Polícia Federal em conjunto com a Controladoria-Geral da União, Ministério Público Federal e Ministério Público do Estado de Pernambuco, realizou a “Operação Desumano”, com o objetivo de apurar supostas irregularidades em contratos firmados pelas Prefeituras do Recife e Jaboatão dos Guararapes com uma empresa que fornece serviços terceirizados na área de saúde. Um empresário foi preso e outros 21 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

De acordo com a PF, a empresa investigada foi favorecida em dois contratos que juntos somam R$ mais de R$ 57,7 milhões, sendo o do município do Recife, no valor de R$ 34.028.654,07 e o de Jaboatão dos Guararapes, no valor de R$ 23.740.308,84. Ambos firmados com dispensa de licitação. Ainda segundo a Polícia, a empresa não tem capacidade operacional, patrimonial e financeira compatíveis com os contratos firmados.

A Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes ainda não se pronunciou sobre o assunto. Já a Prefeitura do Recife disse, por meio de nota, que o hospital de campanha da Imbiribeira desativado na última semana, e era gerido pela empresa alvo da ação, cumpriu sua missão de salvar vidas.

Confira o texto na íntegra:

“A Prefeitura do Recife informa que todas as contratações relativas à emergência da pandemia de Covid-19 ocorreram dentro da legalidade. O Instituto Humanize de Assistência e Responsabilidade Social foi a organização  responsável pela gestão do hospital de campanha da Imbiribeira, que ficou aberto durante cinco meses. 

O hospital cumpriu sua missão de salvar vidas, entrou em processo de fechamento no início do mês e fechou as portas essa semana. A Prefeitura do Recife esclarece ainda que envia, por iniciativa própria, todos os processos de compras e contratações da pandemia para os órgãos de controle. Esse contrato, por exemplo, foi enviado ao Tribunal de Contas do Estado em abril.”


Comentários